Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cardilium

Cardilium

eu posso!...

 

Se pudesse alternar no meu peito as ordens do coração!... Arrancar palavras que pronunciei, transpor as que não disse. Se pudesse inverter, baralhar e trocar os passos que dei. Manter-me lúcido nesta loucura de falar, desenhar, tocar e escrever….
Vou construir uma marginal azul de onde veja o mundo. Uma casa que tenha alma. Que sinta. Que respire. Que pense e exija, com um quintal, um terreno fértil de ideias, arvores que se balancem em dançares ritmados por melodias inventadas ao pôr-do-sol. Somar ideais. Povoar com cento e cinquenta mil pessoas a minha aldeia. Multiplicar o sol, as montanhas, o mar, as estrelas, o frio, o calor, as marés, os rios e o nevoeiro…. Vinte vezes. Fazer da musica o ruído de fundo do planeta. Trocar os conhecidos por amigos, e dos amigos fazer irmãos. Trocar o sangue a cada seis meses por poesia. Respirar o chilrear madrugador. Adormecer exausto de vida. Festejar a vida como uma viagem e partir…eu posso!...