Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cardilium

Cardilium

Um dia feito de ti

Parcas, suaves e singelas são estas palavras que te dedico sob este silêncio da noite, para que não as escutes ou as saibas aqui, tao longe de mim quanto de ti, que os meus dias nunca mais foram iguais ou parecidos com o nosso futuro já longínquo de passado que me entregaste. Nas mãos tenho umas linhas fundas e profundas, a que os magos chamam destino, não crente, creio nos âmagos dos beijos que me deste e na devolução das noites em que te amei. Possuo em mim, do lado de dentro da minha pele, um cheiro impregnado que nunca ousou ausentar-se nem satisfazer-me, constituindo-se pela verdade e ausência, em saudade.

 

Gozo a memória do meu arrepio e prazer, do deslumbramento poeirento da seara onde se ergueram as musicas que nos tornaram autistas, desconstantes, descoerentes e coloridos, numa falência humana desorganizada sentimentalmente, única e irrepetível.

 

Sinto em mim esse verão feito de um frio descomandando e visceral, logo seguido de uma tórrida dor no peito. As casas semelhantes de um piso só, regularmente caiadas e frescas ao entardecer, são o movimento da imobilidade daquela terra, semeada de paixão que nunca foi colhida no meu ser. Regressado cem mil vezes aquele sítio, nem de uma só vez se deixou o meu sorriso aparecer. Revejo-te em cada madrugada no morro defronte ao mar.

 

Descortino nas rochas onde adormecemos a maré com que acordamos, mas tu não estás, a maré não te traz, foste na maré cheia e não vens na maré vaza e cem mil marés já se fizeram, cem mil voos de gaivotas grasnados me comoveram, e mais de mil pensamentos de ti não assassinaram a tua lembrança, o teu cabelo, o teu ar de menina do mundo, os teus passos reluzidos na areia húmida como os nossos beijos, beijados pela maré.

 

Na alvorada cor de cinza partiste. No refúgio de mim me refugiei, mais, muitas mulheres tomei na esperança ignóbil de que fosses uma delas, sabendo que nenhuma delas serias tu. Não existe uma aclaração em mim de ti. Não existe nada oculto se existe tudo tão claro.

 

Um dia, trar-te-ei novamente como um pássaro/peixe/paisagem/mar fecundo e plural. Um dia feito de ti não terá vinte e quatro horas, um dia feito de ti, tem a eternidade do sonho descrito e desaparecido. Um dia feito de ti, seremos nós.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.