Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cardilium

Cardilium

e o demónio que me falaram?

corpo estreito,

que quando agitado é como um rio em enxurrada,

boca meiga de lábios ardentes,

na minha pele quente,

e o demónio que me falaram?

já não tem precipício por onde se mandar,

dizem as bocas do mundo,

tudo o que lhes apraz comentar,

morro assim no meu silêncio, 

desta vida por executar.

 

 

 

 

poesia que não seja vida

sou triste e alegre no mesmo dia consequentemente, 

sem choro que abunde de mágoa,

ou pranto que não seja de amor, 

sem riso que nao seja saudade,

ou chuva que nao seja rio,

 

 

mais,

poesia que nao seja vida. 

 

 

excerto de palavras usadas sem sentido e tino

"... depois, ficaste sem cara, sim, porque a tua cara sem sorriso deixa de ser a tua cara.

 

Assim que te vi chegar, pelo andar, percebi que os teus olhos traziam mais desconfiança do que presença.

Foi isso mesmo que me ofereceste em troca de nada, ou apenas por troca de um momento teu, e isso, eu agradeço-te.

A troca de um amor sem amor, por uma madrugada de palavras usadas, sem sentido e tino. 

 

Depois, ficaste sem sorriso, entristecida e usada ...." 

 

 

 

 

Viva o 1 de maio

- Viva o 1 de maio - gritou roufenho o operário.

 

A garganta doi de sufoco pelo não futuro dos filhos.

 

A garganta ainda geme o sonho que o punho ergue, que a vida segue. 

 

- viva o 1 de maio - gritou mais sozinho o metalurgico construtor de ideais.

 

Cada vez há menos homens a sonhar.

 

Cada vez há menos maio feito de abril. 

 

- viva o 1 de maio.

 

 

Pág. 3/3